terça-feira, 29 de abril de 2008

Non, Je Ne Regrette Rien (Hino ao amor, Marion Coutillard)




Não! Nada de nada…
Não! Eu não lamento nada…
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal - isso tudo me é igual!

Não, nada de nada…
Não! Eu não lamento nada…
Está pago, varrido, esquecido
Não me importa o passado! (2)

Com minhas lembranças
Acendi o fogo (3)
Minhas mágoas, meus prazeres
Não preciso mais deles!

Varridos os amores
E todos os seus “tremolos” (4)
Varridos para sempre
Recomeço do zero.

Não! Nada de nada…
Não! Não lamento nada…!
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal, isso tudo me é bem igual!

Não! Nada de nada…
Não! Não lamento nada…
Pois, minha vida, pois, minhas alegrias
Hoje, começam com você!

———————————————————-

Ela é realmente um hino ao amor.

domingo, 27 de abril de 2008

Fantasmas!

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Vives os fantasmas de uma paixão
Paixão que se desvanece
Por entre os dedos das tuas mãos
Livros que não lês

Desenhas castelos ao vento
Sonhas com um horizonte que não é teu
Com o brilho das estrelas escondidas
Adormeces em devaneios conexos

Enforcas-te em sonhos
Lânguida de prazeres insanos
Por um amor que eu tenho
E tu não...!

Ai Camões... Camões

"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que doí e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer"

Esses desatinos sem nexo
São feridas de amor,
Ou falta de sexo?

sábado, 26 de abril de 2008

Nem Sempre

Imagem protegida com direitos de autor (Luis Lobo Henriques)

Nem sempre o dia recebe o brilho do sol,
nem sempre a noite é amornada pelo luar,
nem sempre céu é cintilado de estrelas,
nem sempre é visível o horizonte no mar,
nem sempre os momentos são de alegria,
nem sempre nos libertamos da nostalgia.
nem sempre temos capacidade de amar.

Nem sempre controlamos as nossas emoções,
nem sempre são ouvidas as nossas orações,
nem sempre nos comportamos de forma natural,
nem sempre cumprimos com as nossas intenções,
nem sempre sabemos o que na vida é o essencial,
nem sempre avaliamos o efeito das nossas ações,
nem sempre queremos discernir o bem e o mal...

Vivemos num mundo que despreza o humanismo,
Vivemos num mundo de tecnologia em profusão,
Vivemos num mundo repleto de egoísmo,
Vivemos num mundo sem coração.

Todos esses desencontros que causam tanto amargor
que mexem com a nossa mente, têm uma explicação...
nascem e se desenvolve na mesma proporção
da distância que nos afastamos do Criador!


Tarcisio Costa

Volúpia


Quisera...
Trocar as folhas verdes do meu colo
Pelo azul celeste dos teus olhos...
Cavalgar na tua pele passo a passo,
Embriagar-me em cada gota de suor,
Ficar presa no aconchego de um abraço
Colher e saborear o teu melhor...

Quisera possuir na madrugada
Teu gemido satisfeito ao meu apelo
Entrelaçando de beijos meu cabelo...

Quisera...
No embalo do teu corpo apaixonado
Beijar o teu sorriso de menino
Fazer de ti meu homem, ser tua mulher...

E no murmúrio da cantiga dos amantes
Amar até o fim e te deixar,
Adormecer dentro de mim...

Heralda Víctor


terça-feira, 22 de abril de 2008

A dança !

Imagem protegida com direitos de autor


No palco da noite bailado de corpos
Cenário de sombras desenhadas em nu
As tuas mãos dançam, percorres os contornos
Da minha nudez.

Eu sou a dimensão que baila no teu espaço
Não temos cansaço só temos deleite carnal
Desejo, harmonia, vontade de luta.

Ao longo de ti descubro caminhos
Trajecto de boca e danço contigo
Esqueço a memória.

Eu sou o teu sangue
A mesma saliva, o mesmo suor
Eu sou a mesma…

…Mulher inesperada!!!

domingo, 20 de abril de 2008

Vem !

Imagem protegida com direitos de autor


Vem de mansinho

Agarra-me com avidez

Faz do meu corpo

Uma poesia sem partituras

Uma dança de frenesins abismais

Coreografada de convulsões infinitas

Constantes e pungentes

Pelo acto supremo

Do meu infundado querer

Como uma pauta

Semi orquestrada

Sobre rimas desconexas

Que se orquestram

Na utopia

Dentro de mim…

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Para Além


Eu ouço-te
Muito para além do silêncio
Das tuas palavras medidas.

Eu vejo-te
Muito para além
Das atitudes contidas.

Eu sinto-te
Muito para além da amargura
Das infinitas partidas.

Eu tenho-te
Muito para além das ilusões
Das oportunidades perdidas.

Eu vivo-te
Muito para além do medo
De algumas vontades escondidas.

Eu amo-te
Muito para além da certeza
Do rumo das nossas vidas.

Eu espero de ti: nada!!!
Além do prazer…
Das aventuras vividas.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Perfil de Mulher!


Sou isto que escrevo…
Sem criatividade
Sou o que sou
Meio mentira, meio verdade

Tenho medos e muita coragem
Muito amor e pouca crueldade
Apunhalam-me com sorrisos
Troco o bem pela maldade

Sou isto que escrevo sobre mim
Quase nada
Mas defendo, em situações quaisquer,
A delícia, a dor, e a aventura de ser mulher…

sábado, 12 de abril de 2008

Faço !



Poema dedicado a um Gato... por sinal bem Malvado!

Faço do teu nome
Um caminho de curvas desertas,
Estradas incertas
Rastos e portas abertas
Como uma paixão que desperta
Numa solidão que aperta
Não existe trajectória certa,
Ou linha recta
Mas uma aventura encoberta
E uma vontade descoberta.

Faço de ti vontade que reveste
E a tua lembrança que veste
Uma esperança forte
Como se, e tão somente se, com sorte
Eu pudesse tê-la em meu norte
Faço de nós um rascunho
Que escapa ao punho
Linhas fogazes
Desejos vorazes

Uma trajectória que passa por mim
E que termina aqui
Numa história sem fim…

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Delirios!


Delírios de prazer
Demente de paixão
Pincelada de amor
Ardente.
Amor diferente
Como a gente
Com calor.
Vem,
Mas não de mansinho.
Experimenta…

Fecha os olhos
Vem encontrar-me,
Sem suores nem tremores.
Olhar sedutor
Boca sedenta de amor,
Onça voraz
Animal ameaçador
Preza lutadora.
Vencedora…

Com sofreguidão
Mas sem receio,
Lanço as garras
Ao teu peito,
Sem que um arranhão
Se mostre
Arrancando o teu saber
E…
Ensino-te o caminho,
O caminho do prazer.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Estou Louca!

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Quando te conheci
Foi loucura

Quando te abracei
Foi a loucura

Quando te beijei
Foi mais que a loucura

Quando me despi
Foi muito mais que a loucura

Quando nos amamos
Foi para além da loucura

Quando me enlouqueceste
Foi o mundo da loucura

Quando me procuravas
Foi o fim da loucura

Quando me deixaste
Enlouqueci!

Quero Dar e receber