segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O Ultimo Dia do Ano



O último dia do ano
não é o último dia do tempo.
Outros dias virão
e novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida.
Beijarás bocas, rasgarás papeis,
farás viagens e tantas celebrações
de aniversário, formatura, promoção, glória,
doce morte com sinfonia e coral,
que o tempo ficara repleto e não ouvirás o clamor,
os irreparáveis uivos
do lobo na solidão.

O último dia do tempo
não é o último dia de tudo.
Fica sempre uma franja de vida
onde se sentam dois homens.
Um homem e seu contrário,
uma mulher e seu pé,um corpo e sua memória,
um olho e seu brilho,
uma voz e seu eco,
e quem sabe até se Deus...

Recebe com simplicidade este presente do acaso.
Mereces viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.
Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muitas coisas já expirou, outras espreitam a morte,
mas estás vivo. Ainda uma vez vivo,
e de copo na mão
esperas amanhacer.

O recursos de se embriagar.
O recurso da dança e do grito,
O recurso da bola colorida,
O recurso de Kant e da poesia,
todos eles... e nenhum resolve.

Surge a manhã de um novo ano.

As coisas estão limpas, ordenadas.
O corpo gasto renova-se em espuma.
Todos os sentidos alerta funcionam.
A boca está comendo vida.
A boca está estupida de vida.
A vida escorre da boca,
lambuza as mãos, a calçada.
A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.

(Carlos Drummond de Andrade)


FELIZ ANO DE 2009

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

TUDO É TEU

Imagem provavelmente protegida por direitos de autor

Descalço venho dos confins da infância,

E a minha infância ainda não morreu...

Em face e atrás de mim ainda há distância.

Ó Menino Jesus da minha infância,

Tudo o que tenho (e nada tenho!) é Teu!


(Pedro Homem de Mello)



sábado, 6 de dezembro de 2008

Perfil de mulher !

Imagem protegida pelos direitos do autor (auto-retrato)


Sou isto que escrevo…
Sem criatividade
Sou o que sou
Meio mentira, meio verdade

Tenho medos e muita coragem
Muito amor e pouca crueldade
Apunhalam-me com sorrisos
Troco o bem pela maldade

Sou isto que escrevo sobre mim
Quase nada
Mas defendo, em quaisquer situações ,
A delícia, a dor, e a aventura de ser mulher…

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Eu... !




Não me fales de razão,
Não me peças coerência,
Sou pura emoção.
Sou movida pela nossa paixão,
Esta é a minha ciência.
Não meçamos os sentimentos,
Não me compares com nada,
Sem fantasmas, sem medos.
A tua incerteza fere-me, mata-me
Deixam-me cicatrizes.
Não imponho condições,
Não espero explicações,
Não me vês, mas sentes-me.
Estou com a tua solidão
O meu sorriso, vive por mim,
Morre por mim,
Mas sobrevive sem mim.
Sou a tua razão,
Que a razão ignora e desconhece.
Tenho centenas de definições,
Todas certas, todas imperfeitas,
Todas correctas, todas erradas.
Sou tudo,
Mudo o cenário mas não o roteiro
Sou mar, profundo, intenso.
Sou fogo, queimo, destruo,
Sou água, inundo, invado
Sou furacão, destruo, devasto.
Mas sou tijolo,
Construo, recomeço,
Sou o teu problema, a tua solução.
O teu veneno, o teu antídoto
A tua memória, o teu esquecimento
A tua prisão, o teu abandono, a tua liberdade
Sou luz, na escuridão,
Sou o desejo de ambos,
Tenho vários nomes,
Mas aqui, sou…AMOR!

sábado, 15 de novembro de 2008

Vendo !

Imagem protegida pelos direitos do autor

Vendo
O pensamento que chama por ti
O corpo que grita pelo teu
O sabor dos teus beijos
O desejo gravado em mim

A ânsia de te ver chegar
A tua voz melodiosa
A estrada dos sonhos
A noite rasgada de devaneios

O cântico de amar
O gemido de um sorriso
O amado e desejado
O teu árduo ser

A nocturna cavalgada
A quimera latente
A hora de sempre
A abrupta despedida

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Ciúme !



Ciúme
Faz-me revelar
A fera oculta
Nas sombras
De mim !!!

(alguém escreveu e eu subscrevo)

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Escrevo-te !



Sou um pássaro de asas negras
Venho trajada de solidão
Numa mão escrevo o meu nome
Na outra ostento o fio cortante do teu olhar
Numa face gravei o teu nome
Na outra o teu beijo seco

Evado-me, pinto-me e repinto-me
De cores vivas e negras
Fantasma de mim
Flagelação, lamentos torturados
Ruminados de ideias fixas
Degluto, sem conseguir a sua digestão

No meu corpo mutilado de dor
Gravo os teus passos negros
Com uma mão ofereço o meu amor
Com a outra perpetuo a felicidade

Esse extremo é o meu dilema
Numa vontade obscena e escura de te ter
De não parar custe o que custar
Pelo medo de ser esquecida
Empalidecida inerte e seca de tudo

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Silêncio !




Para o desejo enganar
Queria saber mentir
Despir-me totalmente da razão
Ignorar estilhaços de sonhos rasgados
Inverter o sentido do percurso da vida
Saborear incertezas...

Mas reajo
Transformo-me em muitas
Amordaço o peito
Para exaurir a sangria do nada
Do sentimento estripado
Do corpo que me conhece...

Hoje, opto pelo silêncio
Arrasto resquicios de uma dança
De corpos pautados sem partitura
Pragmatismo na brisa da noite
E deixo-me ficar...

Ignoro as lembranças
Refaço as minhas linhas
Traço um caminho
No mundo do vento

domingo, 12 de outubro de 2008

Sem Titulo !



Não sei escrever para amigos
Sou uma escrita universal
Não sou casamenteira
Nem conselheira matrimonial

Sou áspera
Coração de fel

Sinto-me dona
Dum extenso areal
Em que sou raínha
Duma praia

Deserta de provocações insanas...

Pronta para recomeçar... !


Embrenho-mo entre as árvores
Da minha floresta negra
Ouço o vácuo do nada
Bate-me a brisa
Escura como bréu
Sou um vulto intempestivo
Onde o ser é sombrio
Gélido, aparência medonha
Desperta-me o medo
Sou dona da solidão
Alma perdida
Sento-me nos pensamentos pérfidos
Desejo a noite
Que toma conta de tudo
Onde vou esperar
Pronta para recomeçar...

E porque pediste...!




Hoje acordei com vontade de escrever
Mas o quê?

Nada de nada

Desejei rabiscar
mostrar em palavras
O que sinto

Mas nada saiu...

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O nosso mundo !



Que importa o mundo e as ilusões defuntas?...
Que importa o mundo seus orgulhos vãos?...
O mundo, Amor?... As nossas bocas juntas!...


Florbela Espanca

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Despedida !

Imagem provavelmente protegida com direitos de autor.

As palavras não saem
Tento com um sorriso disfarçar
Esta emoção que me invade

Ainda não comecei as despedidas
Mas já choro uma lágrima de saudade

Vou escrever apenas quatro palavras
Ternas
Amigas
Singelas
Sinceras
No momento da despedida

Ei-las que chegam, por fim,
Mas ficam sílabas pelo caminho...

Estas poucas palavras
Dedico-as a ti Raphael !

Sabes que regressarei à tribo se precisares de mim (-_º)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Nada sou !

Imagem provavelmente protegiada com direitos de autor.

Sou uma folha em branco
Sou um verbo sem conjugação
Sou um ponto sem final
Sou um plural sem ssss

Sou uma barcaça desgovernada
Sou uma viagem sem viajante
Sou uma torrente sem trajecto
Sou um porto sem abrigo

Sou um palácio desmoronado
Sou um reino sem trono
Sou uma rainha sem coroa
Sou uma plebe sem povo

Sou um deserto frio
Sou uma miragem sem visão
Sou uma tempestade sem tumulto
Sou um delírio sem exaltação.

Sem ti nada sou…

… Gosto de gostar de ti!


domingo, 31 de agosto de 2008

Papel Principal !

Imagem provavelmente protegida com direitos de autor.


"A noite acabou o jogo acabou
Para mim aqui
Quando acordar já te esqueci
O filme acabou
O drama acabou acabou-se a dor
Tu sempre foste um mau actor
Fizeste de herói no papel principal
Mas representaste e mentiste tão mal ...

Quem perdeu foste tu só tu
E nunca eu afinal hoje o papel principal é
Meu e só meu
Quem perdeu foste tu só tu
E nunca eu
Afinal hoje o papel principal é meu" ...


(Adeleide Ferreira)

domingo, 24 de agosto de 2008

Sorri !

Imagem provalvelmente protegida com direitos de autor.


Nas horas de silêncio
Da ausência e do tempo
Com pérfidas mágoas de dor
Que falam do alto solitário
Com um som lânguido
Que nos assusta sem motivo...

Não te esqueças...

“Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz”

Charles Chaplin

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Metade

Imagem protegida com direitos de autor.

Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo que acredito não me tape os ouvidos e a boca.

E que a minha loucura seja perdoada.
Porque metade de mim é amor e a outra metade... também."

E se amor é loucura; que a minha loucura seja perdoada.
Porque metade de mim é amor e a outra metade... também.

Porque metade de mim é o que eu penso... e a outra metade é vulcão...

Oswaldo Montenegro

sábado, 16 de agosto de 2008

Ausência !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Esta ausência que me toca a alma,
E que penetra como uma lança aguda,
Tira-me o sono, a paciência, a calma!
Angustia-me tanto, tanto assim!
Quero com um grito, sufocá-la,
O seu gemido nunca mais ouvir
Poder dormir e depois sonhar,
E neste sonho quero sentir-te.
Quero esmagar, toda a solidão,
Procurar-te encontrar-te, então,
Não te deixar partir!
Que este instante seja eterno,
Para terminar com todos os meus infernos,
Quero abraçar-te...
Beijar-te...
Amar-te...
E dormir!

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Desejo... Exaltação !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


(desejo)
Aninha-me em teus braços
Acaricia-me entre sussurros doces
Perde-te na minha boca sedenta
Bebe lentamente os beijos ardentes
Entrelaça as minhas nas tuas mãos
Corpos que se fundem com desvelos
Consumidos pelo prazer
Encontra-te nos meus desejos insanos
Puritanos…


(exaltação)
Ocultamos palavras que não falamos
A noite pára no silêncio
Ouve-se o solfejar dos amantes
Em melodias acariciadas pelo tempo
Onde jorram fontes ardentes
Que queimam a nossa inquietude
E no aprazamento do momento
Caem os nossos corpos exaustos
E inalamos os aromas da nossa paixão
Nos lençóis desfeitos…

sábado, 9 de agosto de 2008

Meio homem... Meio lobo !

Imagem de Kenedy P. Araujo

Vem rastejar em noite de lua cheia
Implora porquês que não te respondo
Decretas a minha sina
Numa vida de penhora


Sangra no teu mundo
Afoga-te em tudo o que não queres ter
Vou fazer-te só, o que não queres ver
E vais gostar, quero-te assim força bruta

Sacrifica o teu ar, que te faz bem
Sufoca entre o corpo por ti traçado
Tortura os teus olhos dissimulados de sangue
Afoga-te em águas e cores da lua

E quando o luar te roer a alma
O sol nascer e te comer a pele
Quando fores ave amarrada
Vais voar no meu céu negro

Com bramidos que ensurdecem
Debando-me de tudo o que é teu
Que não nego e assim entrego
O meu corpo sem demora

E vais amar-me
Meio homem… meio lobo!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Fumo

Imagem prossivelmente protegida com direitos de autor

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas;
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!



Florbela Espanca

Minha bagagem... Meu fardo!

Imagem possivelmente reservada com direitos de autor


Dentro da minha bagagem levo:
Amarras rumo ao norte
A sorte de amante crente
Promessas, promissórias
Desejos de alcançar a lua
Meu poente, meu acaso
Desejos horizontais
Quereres verticais
Glorias minhas, ardilosas
A arvore que plantei e o fruto que colhi…

No meu fardo carrego:
Um pé de rosa com espinhos
Meu gosto, meu desgosto
Juras malferidas, golpeadas
A demente lucidez
Meus feitos, sempre desfeitos
Meu universo que não passou
Desertos que me habitam
As interrogações dos sonhos que sonhei
A solidão noiva da dor…

A minha bagagem é leve
O meu fardo também!

domingo, 20 de julho de 2008

O Prometido É Devido !

Imagem protegida com direitos de autor - Tribos

E foi assim que, um dia
Sem ser pela calada da noite
Mas sim de dia
Eu, como quem apanha um susto,
Nesse imenso e veloz exercito (o teu)
Fiquei a olhar


Não senti dor, não senti remorso
O vento, que soprava a favor, levou a aldeia
Para bem longe da autoritária
E acalentou-te, em teu doce balanço...

Mas houve a mudança dos ventos
Sempre esperada, nunca prevista
A calmaria

E o nome lhe deste... ”Aki ha kem viva !!!!”.

sábado, 19 de julho de 2008

Desejo adiado !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


No sussurro da calma
Jorram lavas de esperança
Retenho a chama das tuas mãos
Acaricio as pedras da dúvida
Cravejo a alma de enganos
Desato a suavidade das palavras
E com uma dor contundente
Fecundo-me no silêncio
Do desejo adiado.

Gosto de ti…!

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Promete-me !

Imagem protegida com direitos de autor.


Sei de cor
Os cantos do teu corpo
Fica em mim
Que o tempo urge
Promete-me
Que guardas e abraças
Todos os momentos
Que são nossos!...

segunda-feira, 7 de julho de 2008

(ºoº)


Blog encerrado para um merecido descanso...

Sonhos naufragados !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Caminhamos por curvas rectas
Sobre a tela que pintamos
Com traços desconexos
Rabiscados de paixão
Que compomos com pinceladas
De pensamentos de maresia
Partilhados em trilhos salgados
Que cerceiam sonhos naufragados
Submersos na profundidade
De purpúreos oceanos
Dum voo embalado
Nas aguas da ilusão


Esculpimos feitiços
Num cálido destino
Que atormenta e assola
O inesperado prazer
Da mágica melodia
Presa a fios de torrentes
De inquietas algas
Que embalam a esperança
De um angelical sorriso
Onde guardamos
Num quadro inacabado
Duas vidas entalhadas no desejo.

sábado, 5 de julho de 2008

Todo o Tempo do Mundo !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Podes vir a qualquer hora
Cá estarei para te ouvir
O que tenho para fazer
Posso fazer a seguir

Podes vir quando quiseres
Já fui onde tinha de ir
Resolvi os compromissos
agora só te quero ouvir

Podes-me interromper
e contar a tua história
Do dia que aconteceu
A tua pequena glória
O teu pequeno troféu

Todo o tempo do mundo
para ti tenho todo o tempo do mundo
Todo o tempo do mundo

Houve um tempo em que julguei
Que o valor do que fazia
Era tal que se eu parasse
o mundo à volta ruía

E tu vinhas e falavas
falavas e eu não ouvia
E depois já nem falavas
E eu já mal te conhecia

Agora em tudo o que faço
O tempo é tão relativo
Podes vir por um abraço
Podes vir sem ter motivo
Tens em mim o teu espaço

Todo o tempo do mundo
para ti tenho todo o tempo do mundo
Todo o tempo do mundo

(Rui Veloso)

terça-feira, 1 de julho de 2008

Peça colorida !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


A vida inala um aroma irresistível,
Quente, vigoroso
Olho o mundo que nutre no meu corpo
É um filme que vejo
É a ilusão dos sonhos por realizar
Entrego-me de corpo e alma
Como um tema singular
Perco-me em obstáculos
Debulhados de espigas
Arrancadas grão a grão
Amordaçados pelo palco das saudades

Ao teu olhar fui buscar
Mil personagens encantadas
Todas elas enfeitadas
Para o meu coração representar
Uma peça colorida
Onde as luzes se apagam
As cortinas fecham-se
As palmas calam-se
Denunciando o fim
Dum sonho mal sonhado
Duma vida mal vivida

domingo, 29 de junho de 2008

És só meu... !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Mergulho em ti
Como Deus supremo do mar
Escrevo-te, leio-te, releio-te
Soletro as palavras
Interpreto-as
Escritas profanas
Atitudes dilaceras
Coração noctívolo
Confidencio-te pecados
Amores, desamores
Partilho dias e noites insanas
Alegrias, tristezas, paixões
Rabiscos escritos
Mãos tremulas
Somos fieis confidentes
Amantes do infortúnio
Caminhamos na planta
Mal desenhada
De vidas cruzadas
Sem linhas, sem limites
Num desalinho de emoções...

Ninguém há-de saber
O que me dizes

És só meu... !

terça-feira, 24 de junho de 2008

Um Sorriso !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Hoje... peço-te pouco...

Apenas um sorriso
Porque não sei ser feliz
Se às vezes te sei triste

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Quero ser !

Imagem protegida com direitos de autor.


Quero ser
A nascente do teu olhar
A fonte do teu beber
O silencio dos teus sentidos
O rumo do teu mar
A musica da tua partitura
As mãos que te afagam
A boca que te beija
O desejo que te consome
O prazer que te dilacera
O corpo que te acolhe
A paixão que te queima
A distancia que mata!

domingo, 15 de junho de 2008

Mariza - Há palavras que nos beijam !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.


http://www.youtube.com/watch?v=Snysz4zzHZI

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Pensamentos... !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Mundo perdido de ilusões
Onde vagueiam
Sentimentos camuflados
Emoções desventradas
Que queimam os sentidos
Emprenhados de desejos

Pensamentos entrelaçados
Trabalhados por tecelões
Que acutilam sedentos
Os filamentos abortados
De um sonho preso
Em grades perdidas

Esgueiram-se nas teias
Do tempo esvoaçado
Por entre dedos ventosos
Agarrados a eras
Com raízes implantadas
Nas marcas da saudade

És o passaporte para o meu mundo...

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Utopia !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Dentro de paredes vazias
Escoam pensamentos alucinados
Pintam-se palpitações nocturnas
Em horas lentas, vadias

Adornam corpos perturbados
Mentes descarriladas
Penumbras de um manto
Decifrados do seu ser...

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Deixa-me flutuar !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Deixa-me flutuar
Quero descobrir o infinito
Abro uma porta para o meu interior
Vagueio no silêncio de mim

Deixa-me flutuar
Em torrentes do meu desconhecido
Onde percorro
Um deserto inabitável

Deixa-me flutuar
Quero descobrir o meu concreto
Arrancas-me o silêncio
Outrora meu...

... Agora também teu... !

A Tristeza

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


A tristeza reflete o
mais verdadeiro sentimento
da nossa alegre alma,
atormentada por um coração
que teima em querer sofrer.
Mas se isto é viver
Sem nada ter na mão,
Mais prefiro morrer
Do que magoar o teu gelo
Que devia aquecer
A minha pobre ilusão
E mais do que suplicar,
Não a ti mas a mim,
Queria explicar
O porquê do sentimento
E da loucura que me exiges
Se por fim, eu dizia
Nada existe, a não ser
Uma forte teimosia.
Mas eu continuo a sofrer!
E era a ti que eu queria.

Mas o que eu estou a dizer?
A vida é para viver
Vou tentar esquecer...
... e vamos juntos viver.

Para ti linda Maria.

DeepSoul

sábado, 7 de junho de 2008

Per7ume ft Rui Veloso - Intervalo

(Foto de Garik Avanesian)

Vida em câmara lenta,
Oito ou oitenta,
Sinto que vou emergir,
Já sei de cor todas as canções de amor,
Para a conquista partir.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal… Sou eu…

Vida á média rés,
Levanta os pés
Não vás em futebois, apesar…
Do intervalo, que é quando eu falo,
Para não me incomodar.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal… Sou eu…

Não me deixes já
Historia que não terminou
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal

O quadro minimal… Sou eu…
No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal… Sou eu…

http://br.youtube.com/watch?v=nzv9R5kFnLk

Excelente... !

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Intemporal !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Às vezes parece-me,
Que comecei tudo tarde na vida.
Às vezes até me queixo,
Mas não tem importância,
Porque sou intemporal.
O que é importante, se faça,
O interessante, também,
Se não importa, não faço,
Não interessa? Olha… passa bem!
Por isso importa-me e interessa-me,
Que eu não me importe demais,
Com aquele que não se importa
De ser um simples sujeito,
Um sujeito temporal,
Com ventos e tempestades
Que ameaçam, não chovem, não ventam
E todo seco de verdades.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Gosto de ti !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Nas sombras da certeza
Caminham lépidas
As incertezas de te ter...

Gosto de ti... !

domingo, 1 de junho de 2008

Dia Mundial da Criança !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Deixa-te levar

Pela criança

Que existe

Em ti !!

O Pecado !

Imagem protegida com direitos de autor.


Ah... o pecado...
Viva o pecado
Que esconde em mim
A
mais casta virtude
Pequemos então.
Deixemos correr
As mãos pelo corpo
Olhares insultuosos
Pequemos sem culpa
Porque a culpa e pecado,
Não sabem dançar merengue
Só valsa vienenses
Dança fina…
Quando muito...
O pecado é belo,
Fulgurante e molhado
Feito para ser deliciado
Entre línguas entrelaçadas.
Deixem-me pecar
Não quero ser freira nem beata
(que também pecam)
Pecam escondidas
Só que não sabem pecar.
Fiquei apenas com a angústia
Do pecado mal feito
Ou jamais cumprido.
Pequemos o aqui e no agora
O pecado doce…

Peca comigo!!!!

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Nós


É impossível não sonhar
Com aquela dos meus sonhos,
Farei tudo para emergir-me da incerteza,
Assim, mesmo num estado onírico,
Quero exercer o direito de amá-la.

Ela é a minha etérea fantasia,
Criou-se uma idéia fixa a minha mente,
Não consigo esquecer o seu amor,
Ela é do meu coração, uma mania,
No amor não há a abstemia,
Por isso, vivo a sonhar...

É um cenário sagrado,
Quando se encontram dois corações,
Sob as graças da bênção divinal...
Por isso, tenho as minhas ilusões
De que vivamos com a felicidade,
A realidade do nosso amor...

Eu e tu, nós dois juntos,
Construiremos, com amor, o nosso ninho,
Que seja eviterna a nossa felicidade...
Substituiremos a dor da saudade,
Pelo enlevo do nossos carinho
E da sonhada felicidade.


Tarcísio R. Costa


sábado, 24 de maio de 2008

De te querer !


Quero sentar-me no teu colo
Beijar-te o pescoço
Morder-te a orelha
Entrelaçar a língua na tua
Apoderar-me e preencher a tua boca...
Ela é ardente, muito ardente.

Eu gosto da tua mão
Quando aperta o que deseja
Com calor e com carinho
Percorrendo o caminho da loucura
Acabando com o medo de não poder

Tu… Eu…
Ambos exalamos, com todo o prazer…

- É o desejo de te querer!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Se eu pudesse !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Se eu pudesse
Prendia-te no meu olhar
Como a luz que nasce todos os dias
Para me fazeres acordar menina
Despida para a dança das tuas fantasias
Com o cheiro do meu amor sereno
O nardo do teu amor pleno

Se eu pudesse
Pintava nas paredes do meu quarto
Os momentos em que te saboreio
Como uma chuva fina
Que molha o meu leito e alma
Enraizava-te nos meus caminhos
Nos meus lençóis em desalinho

Se eu pudesse
Envolvia-te nos meus braços
Amarrava-te aos meus laços
Beijava a tua boca
Que me põe louca
E por mais que a beba
Não me sacias

Se eu pudesse
Em ti acordar
Em ti adormecer
Em ti ver a vida acontecer...

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Mensagem Vida e Amor

Eu !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Aceitem-me como sou
E não como querem que eu seja
Deixem-me viver...
Deixem-me sofrer...

Eu sorrio e faço sorrir
Eu suspiro e faço suspirar
Eu choro e faço chorar
Eu encanto e desencanto...

Aceitem-me como sou
E não como querem que eu seja
Deixem-me ser extrovertida
Deixem-me ser dinâmina...

Eu caio e levantam-me
Eu corro e apanham-me
Eu escondo-me e descobrem-me
Eu sou assim...

Aceitem-me como sou
E não como querem que eu seja...

Várias Linguas...


... Porque não preciso de uma data especial, aqui fica o que sinto por ti

"Amo-te!"

O mesmo será dizer, em:

Africano - Ek is lief vir jou
Albanês - Te dua
Alemão - Ich liebe Dich
Árabe - Ooheboka (mulher para homem)
Árabe - Ooheboki (homem para mulher)
Arménio - Yes kez sirumen
Basco - Nere maitea
Bengali - Ami tomake walobashi
Búlgaro - Obicham te
Cantonês - Ngo oi ney
Checo - Miluji te
Coreano - Dangsinul saranghee yo
Crioulo - Mi aime jou
Dinamarquês - Jeg elsker dig
Eslovaco - Lubim ta
Espanhol - Te amo
Esperanto - Mi amas vin
Estónio - Mina armastan sind
Filipino - Mahal ka ta; Iniibig kita; Mahal kita
Finlandês-Mina" rakastan sinua
Francês-Je t'adore; Je t'aime
Grego-S'ayapo
Hebraico-Anee ohevet otkha (mulher para homem)
Hebraico-Anee ohev otakh (homem para mulher)
Holandês-Ik hou van jou
Húngaro-Szeretlek te’ged
Indonésio-Saya cinta padamu; Saya cinta kamu
Inglês-I love you
Iraniano-Mahn doostaht doh-rahm
Irlandês-Taim i' ngra leat
Islandês-Eg elska thig
Italiano-Ti amo
Japonês-Aishiteru; Chuu shiteyo; Kimi o ai shiteru
Javanês-Kulo tresno
Latim-Te amo
Libanês-Bahibak
Mandarim-Wo ai ni
Marroquino-Kanbhik; Kanhebek
Norueguês-Eg elskar deg
Paquistanês-Mujhe tumse muhabbat hai; Muje se mu habbat hai
Persa-Doo-set daaram
Polaco-Kocham cie; Kocham ciebie; Ja cie kocham
Português(Brasil)-Eu te amo
Português(Portugal)-Amo-te
Russo-Ya vas lyublyu; Ya tyebya lyublyu
Sueco-Jag aelskar dig
Turco-Seni Seviyorum
Ucraniano-Ya tebe kokhayu; Ja tebe kokhaju
Vietnamita-Toi yeu em
Yiddish-Ich libe dich
Zulu-Mena Tanda Wena

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Queria !

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.


Queria ter-te aqui
Ao alcance do meus olhos,
Junto ao meu coração.

Queria ter-te
Alucinadamente
Longe de todos,
Longe de tudo
Só EU e TU

Mergulhar nos teus olhos,
Conhecer a tua alma,
O teu pensar,
O teu viver.

Abraçar o teu corpo
E desvendá-lo.
As minhas mãos
Passar pelo teu rosto,
Pelos teus lábios
E beijar-te.

Sermos um só – por um momento
Deixa-me amar-te…

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Para grandes males...

Imagem possivelmente protegida com direitos de autor.

Pelos sentidos calados

Malévolas se erguem

São almas perdidas

Dum mundo estulto


Afogam-se em anonimato

Bloqueiam a sanidade mental

Consomem-se com a felicidade alheia

Expelem saliva envenenada


São os males dum ventre mundano

Paridos em lua de lobisomem

Atormentados pela escuridão

De um sol que não lhes brilha


Um desafio…

Serás tu ou eu

A malvada…

domingo, 11 de maio de 2008

Tapa-me a boca... !


Carrega-me para o quarto

Despe-me com fervor

Atira-me para a cama

Beija-me ardentemente

Lambe-me os seios

Percorre-me com avidez

O meu corpo serpenteia

Quero as tuas mãos quentes

Quero sentir-te fogoso


Faz o que te peço

Põe-me de bruços

Acaricia-me lentamente

Pernas semiesferoidais

Unhas cravados na almofada

Cabelos escorridos pelos ombros

Nuca desnuda

Costas que sentem o teu peito

Corpos com movimentos

Em proporções regulares


Consome-me extasiadamente

Aperta-me os seios com as tuas mãos de concha

Mergulha em mim

É bom assim

Um conjunto em simbiose

Tacteia-me as coxas

Debruça-te

Invade o meu ser

Lentamente dá-me prazer

Suavemente

Agora velozmente amor


Quero-te pungente

Entrego-me à febre

Do teu ser

Lânguida de prazer

Gemo baixo sem pudor

Colas os teus lábios aos meus

Dois corpos molhados

Arrepiados de desejos

Sinto-te

Tocas a musica que eu quero ouvir


E peço-te:

Tapa-me a boca…